terça-feira, 20 de setembro de 2016

Fora Temer

Ao ler a matéria sobre a prisão de um homem de 42 anos em Apucarana, acusado de pichação confesso que me assustei um pouco. Não com a notícia em si, mas sim com a constatação, óbvia, de que passei da metade da vida (risos). 



Sim, eu pichei. Mas prefiro outro verbo para meu ato. Eu pintei. Pintei Fora Temer não como reprovação estritamente à sua figura pessoal, no mínimo desprezível. Pintei Fora Temer para simbolizar toda a minha indignação e revolta com um governo que não me representa. Um governo que fala em retiradas de direitos, há muito conquistados, como se troca de roupa ou bebe água.

Pichei Fora Temer na avenida principal de Apucarana em meu nome, em nome dos meus filhos, da minha família.

Pichei Fora Temer em nome dos meus amigos/as, colegas de trabalho, trabalhadores/as, alunos/as, juventudes, minorias, excluídos/as e aqueles/as à margem da sociedade.

Pichei Fora Temer por que não desejo pra nenhum trabalhador/a uma aposentadoria aos 65 ou 70 anos. Por que não acho justo mulheres e homens se aposentarem com a mesma idade. Não acho justo professoras e demais categorias perderem o direito à aposentadoria especial de 25 anos.

Pichei Fora Temer por que acredito que a classe trabalhadora não pode perder os direitos trabalhistas conquistados às duras penas. 13º salário, férias, descanso semanal remunerado, 44 horas semanais, licença maternidade e salário mínimo deixarão de ser garantias legais para obedecer as vontades e conveniências dos patrões.

Pichei Fora Temer por que defendo uma educação de qualidade e a não diminuição dos investimentos nessa importante área do serviço público.

Pichei Fora Temer por que defendo um Sistema Único de Saúde - SUS de qualidade, universal, inclusivo, para que a população, realmente necessitada, não precise recorrer aos mercenários da medicina.

Pichei Fora Temer por que entendo que a PEC 241 e a PLP 257 são altamente nocivas à população brasileira, pois vão representar o sucateamento do serviço público e consequentemente ampliar a falta de atendimento ao povo mais necessitado. Serão menos recursos para as escolas, precarização e privatização do SUS, salários congelados até 20 anos e proibição de concursos públicos.

Pichei Fora Temer por que na verdade o que querem é leiloar a preço de banana todo o patrimônio nacional. As empresas estatais, as que sobreviveram no governo FHC, serão liquidadas agora com o discurso fácil, e velho, da corrupção e da ineficiência. “Vender tudo o que puder” é a máxima deste governo golpista para na verdade entregar tudo de mão beijada para as multinacionais.

Pichei Fora Temer por que sou totalmente contrário à Lei da Mordaça que proíbe que os professores/as abordem em suas aulas sexualidade, gênero, religião e política num retorno inequívoco ao período militar, onde contrariar o poder instituído era terminantemente proibido.

Pichei Fora Temer por que entendo que a retirada da exclusividade da Petrobrás da exploração do pré-sal significará que o PNE não terá condições de ser implementado, já que os investimentos necessários para isso viriam do fundo social do pré-sal e dos royalties do pré-sal.

Pichei Fora Temer por que defendo uma educação básica universal com vistas à formação do cidadão e não essa proposta de reforma do ensino médio que retira esse caráter da escola pública, dando aos alunos uma formação esvaziada e voltada exclusivamente para o mercado de trabalho.

Pichei Fora Temer por que quero as políticas públicas para a inclusão de alunos/as da rede pública no ensino superior sejam mantidas e ampliadas. Enem, prouni, sisu, fies, ciência sem fronteiras devem continuar a proporcionar que os sonhos de nossa juventude tornem-se realidade.

Enfim, existem muitos motivos pra pichar Fora Temer. Esse ato foi apenas uma amostra da minha indignação pessoal. Não dá pra aceitar sermos enganados dessa forma. Não está nada bem e parece que as pessoas não estão conseguindo enxergar a realidade, o que prova que a propaganda nazi-fascista ainda é uma realidade. A classe trabalhadora segue cega, surda e muda. 

Não dá pra ficarmos de braços cruzados neste momento. Muitas vidas já se perderam pra termos o que temos. Muito sangue, suor e lágrimas pra agora deixarmos tudo ir por água abaixo. Precisamos nos levantar e dizer um não para os golpistas. 

Eu recebi muitas críticas pelo meu ato, muitas mesmo. Por eu ser membro da direção regional da APP-Sindicato, algumas pessoas acharam que eu não deveria ter feito. Por eu ser professor disseram que eu envergonhei a classe.

Por outro lado, recebi muito mais mensagens de apoio do que críticas. Desconhecidos/as, amigos/as, colegas, alunos/as, familiares, pessoas que compreenderam o real significado do meu gesto e são as opiniões dessas pessoas que me importam. São as opiniões desse grande número de pessoas que me fazem ter certeza que fiz o correto. São essas opiniões que me dão a certeza e a convicção de que faria tudo novamente se for preciso.

Peço desculpas, sinceras, a quem se decepcionou com minha atitude. Pra essas pessoas gostaria apenas de fazer um pedido diante de tudo o que está acontecendo no Brasil atualmente.

Indigne-se.


Termino este texto/desabafo com uma citação muito importante pra mim: 

“Que seria deste mundo sem militantes? Como seria a condição humana se não houvesse militantes? Não porque os militantes sejam perfeitos, porque tenham sempre a razão, porque sejam super homens e não se equivoquem. Não é isso. É que os militantes não vem para buscar o seu, vem entregar a alma por um punhado de sonhos. Ao fim e ao cabo, o progresso da condição humana depende fundamentalmente que exista gente que se sinta feliz em gastar sua vida ao serviço do progresso humano. Ser militante não é carregar uma cruz de sacrifício. É viver a glória interior de lutar pela liberdade em seu sentido transcendente”.

Josè Pepe Mujica

2 comentários:

Nilsa Ruse disse...

Parabéns meu grande amigo, pela tua coragem em enfrentar esse governo, que em nenhum momento nos representa.....Meu total apoio....

Amanda Albrecht disse...

Obrigada. Ainda existe esperança!